E aí, vocês já viram o trailer de Homem de Ferro 3?

 

É, eu sei que já fazem alguns dias desde que lançaram o trailer, por isso ao invés de só postá-lo aqui eu resolvi “analisá-lo” também. Vamos ver minhas opiniões sobre ele?

Continuar lendo

Anúncios

O Espetacular Homem-Aranha [Resenha]

“Com grandes poderes vêm grande responsabilidades”. A clássica frase já enraizada na cultura pop pode ser aplicada na vida de diversas formas. Um bom exemplo disso é que você tem o poder de fazer o reboot de uma franquia milionária que tem apenas dez anos (sendo que a última parte da trilogia foi lançada há apenas cinco), e aí você tem a responsabilidade de fazer um filme bom. Felizmente esse último exemplo aconteceu mesmo.

Desde o ano passado eu venho batendo na tecla de que esse reboot não era necessário. Eu percebi assistindo ao filme que sim, ele era se quisessem contar mais histórias do Amigão da Vizinhança, mas não era necessário agora. Poderiam ter esperado um tempo pra fazer isso, era o ideal. Mas aí os direitos voltariam pra Marvel (o que agradaria muitos fãs, inclusive a mim).

Eu tinha certeza que o filme seria bom, e não me decepcionei. Posso dizer até que é melhor que os da trilogia de Sam Raimi, embora apresente alguns defeitos.

O mais grave deles é que tudo no filme parece estar conectado: os pais de Peter estão conectados com os poderes que ele ganha que está conectado com os poderes que o Dr. Connors ganha. Isso se torna chato e menos “crível”.

Continuar lendo

Veja a primeira arte conceitual de Homem de Ferro 3

A divulgação de Homem de Ferro 3 tava um pouco parada. Não é de se estranhar, o filme ainda tá engatinhando, mas até agora não teve nenhuma divulgação além de um poster meio genérico com o logo do filme. Até agora, pois hoje lançaram uma arte conceitual MUITO bacana:

E ainda mostram apenas parte da armadura nova pra gente especular e ficar com gostinho de “quero mais”. Um jeito muito legal de divulgar.

Aliás, essa armadura aparentemente será bem mais dourada. To doido pra ver como ela é completa.

Veja o primeiro trailer do MMO da Marvel

A DC tem o seu DC Universe Online, um MMO que reúne todos os grandes heróis da editora do Superman. Agora a Marvel também lançará um chamado Marvel Heroes, que aliás ganhou um trailer hoje.

Aposto que vai ter muita gente querendo jogar indo no hype do filme d’Os Vingadores, e isso é muito bacana. E o melhor de tudo é que o game será gratuito para jogar!

Infelizmente ainda não há uma data de lançamento definida.

Os Vingadores [Resenha]

No final do ano passado eu escrevi um texto chamado “Os 5 filmes mais esperados de 2012”, e coloquei Os Vingadores na primeira posição.

Isso mostra quanta expectativa eu tinha nesse filme. E não só eu, mas muita gente previa um filme incrível. Mas todos estavam errados… O filme é MUITO mais que incrível.

O principal argumento daqueles poucos que duvidavam de que Os Vingadores seria um dos melhores filmes em toda a história do cinema era que “seriam muitos personagens para desenvolver todos na história”. Foi aí que eles se enganaram, pois TODOS os personagens principais são muito bem desenvolvidos.

E por “principais” entenda que é desde o Homem de Ferro, Thor, Hulk e Capitão América, ao vilão Loki (que ganha mais da minha simpatia a cada filme) e até mesmo ao pessoal da S.H.I.E.L.D. (Nicky Fury, Viúva Negra, Gavião Arqueiro e inclusive o Agente Coulson). Todos fazem a trama girar, todos são muito bem aproveitados do seu jeito.

O filme sabe mesclar muito bem humor (na maioria das vezes proporcionado pelo nosso querido Tony Stark) e ação, além de mostrar muito daquele lado mais “humano” dos heróis naquele jeito já conhecido da Marvel.

A sessão que eu assisti foi em 3D, mas o efeito não faz muita diferença assim. Embora ele dê um charme a mais para as cenas de ação, que são ESPETACULARES.

As atuações são muito boas também, com o elenco de grandes estrelas interagindo de um jeito convincente.

Sejam nos diálogos, conflitos, atuações e cenas de ação, o filme acerta em todos os seus mínimos detalhes. Ele é o filme que a gente esperava, e ainda melhor. Aliás, recomendo que você convide aquele seu amigo à beira do suicídio para assistir com você. Ele vai acabar desistindo da ideia na expectativa de assistir Os Vingadores 2.

Eu assisti: Thor

 

E eis que só nessa reta final para Os Vingadores é que consegui ver Thor. Bem, pelas críticas que vi na época que o filme foi lançado, achava que era um filme bem mediano, que não agradava nem desagradava. Mas o que eu vi foi um filme ótimo, que me empolgou do começo ao fim.

Sim, tem alguns defeitos, mas o saldo total é bastante positivo. Na verdade, o principal problema do filme é que ele é uma história de redenção do Deus do Trovão. Assim, temos uma história do arrogante Thor se tornando mais humilde.

Mas esse clichê é algo pequeno se comparado com as coisas incríveis desse filme: várias referências ao Universo Marvel, os belos efeitos especiais, a mitologia incrível do personagem muito bem adaptada e acima de tudo, Loki.

Sim, o irmão invejoso de Thor rouba muitas das cenas do filme, e o ator Tom Hiddleston consegue dar vida a um vilão no nível de Magneto e quase um Coringa.

E mesmo com algumas cenas de ação muito boas no filme, para mim as melhores foram as de Loki armando seus planos.

Como falei lá em cima, Thor está cheio de referências. Adorei ver quando falaram de forma implícita sobre Bruce Banner (se referindo a ele como “um cientista pioneiro em radiação Gama”) e ao Homem de Ferro.

O final não é algo tão feliz, mas também não é uma tragédia. Considerei um bom final.

Mas a cena pós-créditos é que foi realmente incrível, reunindo Loki e Nick Fury em uma cena que será de grande importância para Os Vingadores.

Minha empolgação com o filme dos Heróis Mais Poderosos da Terra está a mil, e só o que posso desejar é que 27 de abril chegue logo.

6 Horas Para Matar [Resenha]

Pra começar: eu não conheço muito o Justiceiro. Realmente eu comprei essa HQ depois de ler essa resenha dos parceiros d’A Horda. Bem, a resenha foi fundamental pra que eu comprasse esse encadernado, mas na verdade a premissa sozinha já havia me conquistado.
O Justiceiro está em mais um dia de trabalho, dando um jeito (merecido) em uns exploradores de crianças. Ao acabar o seu serviço ele volta para o seu furgão onde encontra um homem de máscara que o faz ficar inconsciente com um gás. O homem injeta uma substância nele que o matará em seis horas, mas se ele matar um homem para os seus patrões eles lhe darão o antídoto. Então nosso amigo Frank Castle decide que não precisa viver mesmo, e que vai aproveitar essas seis horas matando quantos criminosos puder.
Essa é a premissa de 6 Horas Para Matar, que se assemelha muito a de um filme de ação como Adrenalina, por exemplo.  Seu roteiro é muito bem conduzido e alterna entre muitos momentos de ação e de aprofundamento nos personagens. Aliás, essa profundidade dada até mesmo aos antagonistas do Justiceiro foi algo que eu adorei.

Outra coisa muito legal é o traço realista do desenhista. Casou muito bem com o roteiro, melhorando os impactos propostos por ele.
Além disso, vale comentar aqui é ótimo trabalho daPanini com o encadernado brasileiro. Um trabalho que pode ser resumido em uma palavra: capricho (e não, de jeito nenhum estou falando daquela revistinha adolescente). A capa dura, o papel especial, e até mesmo as capas das edições originais reunidas no fim da publicação, dão um charme a mais para ela e fazem dessa uma daquelas HQs que ficam muito bonitas na estante, e trazem orgulho de se ter na coleção. Tudo isso por um preço que considero justo (ou até mesmo inferior ao que deveria ser cobrado): R$ 17,90.
Sem dúvidas essa foi uma das melhores HQs que já li. E você, tá esperando o quê? Vá fazer uma visitinha na banca de revistas da esquina e compre logo essa preciosidade.

A Era Heroica chegou ao Brasil!

 

Bem, já faz uns três meses que O Cerco terminou aqui no Brasil, e uns dois que começou a Era Heroica, mas eu só comprei o segundo volume de Capitão América e os Vingadores Secretos no final do mês passado, e foi aí que eu me introduzi na “nova era” da Marvel no país.

Pra quem não sabe, a Era Heroica é a época em que os heróis voltam a ter sossego depois de anos brigando entre si (Guerra Civil) e de vilões no comando do mundo (Reinado Sombrio).

Pra começar, Steve Rogers não é mais o Capitão América (fazendo o nome da revista dos Vingadores Secretos perder um pouco o sentido, mas tudo bem), título que continua com Bucky.

A equipe dos Vingadores Secretos é formada quase toda por personagens coadjuvantes como o Fera e o Máquina de Combate, mas eu gostei muito dela. O clima é bem legal.

O Bucky como o Capitão também está bem legal, e esse arco é muito bom, com o filho de Zemo tentando enlouquecê-lo e acabar com sua reputação.

Agora, uma coisa que eu acho ruim nas publicações da Panini, é que elas são publicadas exatamente um ano depois da publicação original. Não será que dá pra diminuir esse tempo pra alguns meses, ou fazer que nem a editora On Line, que teve que pausar a publicação de Dark Times (de Star Wars) por uns tempos porque estava alcançando a dos EUA?

Independente de tudo , eu realmente gostei da Era Heroica, as mudanças foram muito boas. E o futuro não é só promissor para os heróis, mas para os leitores brasileiros também.