Game of Thrones 02×02: The Night Lands

Só o que posso falar desse episódio é que ele foi bom. E ponto. E “bom” não é tanto pra uma série como Game of Thrones, em todos os episódios antes desse são excelentes.

O motivo de eu classificar o episódio apenas como “bom” é que ele muda certas partes do livro e apresenta algumas cenas desnecessárias. Vou falar delas nos próximos parágrafos.

Na abertura do episódio temos Pyke sendo introduzida, que me empolgou tanto quando Pedra do Dragão no episódio anterior.

As cenas com Arya ainda foram menos do que eu imaginava, mas já estão crescendo. Gostei de ver a interação dela com os três homens acorrentados na carroça, e como Yoren expulsou os homens de manto dourado.

Tyrion enviou Lorde Janos para a Muralha, em uma das melhores cenas do episódio. Claro, o anão é um dos personagens mais incríveis da série. Aliás, nessa cena teve uma mudança com relação aos livros: Tyrion nomeou Bronn Comandante da Patrulha da Cidade, e não Jacelyn Bywater. Eu considerei essa mudança interessante e até gostei dela.

Theon chegou em Pyke! E o cenário ficou ótimo, realmente incrível. E muitos dos pequenos detalhes que estavam no livro apareceram aqui. De diferente só teve mesmo a introdução da irmã de Theon, Asha (chamada na série de Yara) já nesse episódio, um pouco antes que em A Fúria dos Reis. Mas isso eu entendo, já que é preciso ter um pouco mais de pressa pra apresentar certos personagens na série.

Na verdade, as “cenas desnecessárias” que falei lá em cima são as que se passam no bordel de Mindinho. Essa história lá já deu o que tinha quer dar, foi bom usar ela para mostrar o massacre dos bastardos em The North Remembers, mas agora se tornou muito chato.

Eu quero ver é a guerra, não uma prostituta assustada com o Lorde Baelish. Espero que se dediquem mais aos personagens realmente importantes e parem de mostrar essa história que não contribui nada com o andamento da série.

Nesse episódio Davos nos foi devidamente apresentado. “Stannis é meu deus”, disse o ex-contrabandista, mostrando o seu sentimento de gratidão para com aquele que lhe deu títulos e terras.

Daenerys teve um destaque ainda menor do que no episódio anterior. Mas isso não é um ponto ruim, estão indo com calma na parte dela da história.

E a cena final foi uma das mais chocantes (e mais legais) da série: Jon Snow viu Craster entregando um bebê para um Outro comer.

Mesmo com algumas falhas (isso na minha humilde opinião) nesse episódio, a temporada se encaminha para algo muito maior e, claro, muito mais épico que a anterior.

Game of Thrones 02×01: The North Remembers

O inverno voltou… E em estreia mundial! Fiquei muito surpreso (e empolgado) ao saber que até mesmo a HBO brasileira passaria o tão esperado primeiro episódio da segunda temporada de Game of Thrones.

O hype em cima do retorno da série estava mais alto que o Ninho da Águia, e decepcionar os fãs seria fácil. Mas não pra HBO. Conseguiram fazer um ótimo season premiere.

Logo na abertura vemos uma leve mudança, com Pedra do Dragão aparecendo no mapa. Não é nada demais, mas pra nós fãs é algo muito legal.

A primeira cena é a do torneio para o dia do nome de Joffrey, onde Tyrion aparece para tomar seu lugar como substituto da Mão do Rei. E Peter Dinklage como sempre dando um show de atuação.

Stannis está se aliando a religião de Melisandre. Como eles são personagens novos, vou falar sobre a caracterização deles. Ela se parece muito com o descrito nos livros, mas Stephen Dillane como Stannis não me lembrou de quase nada do personagem que eu imaginava quando lia as descrições de Martin.

Daenerys atravessa um deserto com seu khalasar e seus dragões. Aliás, como eles são bem-feitos! Parecem que estão ali mesmo com a khaleesi.

Bran como Senhor de Winterfell foi algo muito bom de ver. E quando Osha disse que o cometa “significava dragões” para o menino meu lado fã pirou.

As cenas da Patrulha da Noite foram muito legais. O Mormont dando um sermão em Jon foi uma das melhores cenas do episódio.

O lobo gigante de Robb, Vento Cinzento, cresceu muito e por isso agora ele é feito em CG. E como os dragões ele ficou incrível.

Começamos a ver que o Theon vai ter um destaque muito maior nessa temporada. Eu sempre gostei do personagem, e adorei quando ele disse a Robb “Eu não sou um Stark, mas seu pai me criou para ser um homem honrado”.

Não posso deixar de falar da conversa de Catelyn e o Rei do Norte. Ele está começando realmente a virar um grande estrategista militar, um verdadeiro rei. Seu amadurecimento é nítido. E claro, a frase “tem um rei em cada canto agora”, dita pela Senhora Stark, foi impagável.

Arya teve menos destaque nesse episódio do que eu imaginava. Mas tudo me leva a acreditar que no próximo ela vai aparecer bem mais.

No geral o episódio apresentou a grande maioria dos personagens principais conhecidos e os novos, além de mostrar o encaminhamento dessa temporada, e tudo o que podemos esperar de grandioso dela. The North Remembersfoi o episódio perfeito para acalmar a ansiedade dos fãs.

Top 3 cenas musicais memoráveis em séries

É isso mesmo, preparei agora mais um “Top x qualquer-coisa” pra vocês. Sim, eu sei que vocês não aguentam mais esse tipo de post, mas dessa vez é sobre as melhores cenas musicais de séries. Aposto que vocês vão gostar.

Ah, só um aviso antes que você comece a ler: não gosto de séries musicais propriamente ditas, então não espere encontrar algo como Glee aqui. Além disso, não são cenas em que personagens cantam músicas, mas sim que músicas famosas tocam ao fundo delas. Pronto, avisos dados, vamos assisti-las.

3 – Livin’ On A Prayer – Everybody Hates Chris 

A última cena de Todo Mundo Odeia o Chris é também uma das mais legais de toda a série. Ao som de Livin’ On A Prayer, do Bon Jovi, Chris e sua família esperam o resultado da prova que decidirá o futuro do nosso odiado protagonista. A cena (e também a série) termina no momento em que Julius chega com o resultado, sem que fiquemos sabendo qual é. Vale muito a pena ver.

2 – Tom Sawyer – Chuck

Chuck era um seriado incrivelmente legal. Conseguia unir (de forma genial) duas coisas que pareciam opostos naturais: o mundo da espionagem e o mundo nerd do qual o protagonista fazia parte. E uma das cenas mais memoráveis da série é quando o Chuck joga um game arcade enquanto ao fundo era tocada a música Tom Sawyer, do Rush.

1 – Carry On My Wayward Son – Supernatural 

(Clique aqui para ver o vídeo dessa cena. É que não encontrei NENHUM vídeo dela no Youtube que a incorporação estivesse liberada.)

Ao final de qualquer season finale de Supernatural tem uma retrospectiva de toda a temporada embalada pela música Carry On My Wayward Son, do Kansas. . Como são muitos desses momentos, resolvi escolher o que eu acho o melhor “The Road So Far” da história da série: o da quinta temporada.

Espero que tenham gostado da lista. E se vocês conhecem outros momentos assim em seriados legais falem aí nos comentários.

Saiu um novo trailer da 2ª Temporada de Game of Thrones

 

E ele é sensacional. Incrível. Praticamente todos os personagens principais aparecem. Pare de ler o que eu escrevi e assista logo essa coisa magnífica.

 

GENIAL. De tirar o fôlego de qualquer fã. Quase chorei quando a Daenerys falou aquilo.

A estreia da segunda temporada está marcada para o dia 1º de abril. E eu não me aguento de tanta ansiedade.

Chuck 05×08: Chuck Versus The Baby

Eu sempre gostei de Chuck, mas deixei de assistir a algum tempo. Então eu aproveitei esse fim de ano e o hiato de séries para me “atualizar” em algumas, e uma delas foi justamente Chuck, que está em sua última temporada.

E eu estou adorando essa temporada. Morgan com o Intersect, participações especiais (inclusive do Stan Lee), o Jeff se tornando uma pessoa “normal”, Lester e Casey indo pra prisão, e até o retorno de Shaw no episódio passado.

Nesse episódio uma missão antiga de Sarah voltou a atormentá-la. E lá vai a Carmichael Industries ajudá-la nisso, embora ela revele muito pouco do aconteceu nessa missão.

Tivemos a participação especial de Tim DeKay (White Collar) como Ryker, o antigo supervisor de Sarah. Aliás, vale lembrar que Matt Bomer, que fez o Bryce na série, atualmente também protagoniza White Collar.

A mãe da Sarah apareceu, o Morgan e a Alex voltaram. Aliás, eu acho que ela devia ter voltado com ele há muito tempo. Não era culpa dele, foi o Intersect derretendo sua mente.

No final do episódio eu gostei bastante do flashback em que entregam pra Sarah a missão de cuidar de Chuck com aquela foto antiga dele. Achei genial!

Também gostei da decisão deles de não voltar pra CIA. A Carmichael Industries é uma das coisas mais legais da temporada.

E pra finalizar: alguém além de mim acha que eles só conseguirão comprar essa “casa dos sonhos” no último episódio?

No mais, gostei de Chuck Versus The Baby. Essa última temporada de Chuck está muito boa, veremos que surpresas ainda aguardam nela.

O primeiro episódio dos Simpsons

Amanhã é véspera de Natal, meus amigos. Dia de comer a ceia e ganhar presentes e tal. E pra entrar no clima eu resolvi preparar um texto sobre o primeiro episódio de uma das maiores (se não, a maior) série de todos os tempos: Os Simpsons.
Acho que deve ter algumas (talvez muitas) pessoas que nunca viram o primeiro episódio da série, e essas ficaram com cara de “WTF?” quando relacionei Natal com esse episódio. Mas é que o episódio de estreia do pessoal de Springfield foi um especial de Natal, e que episódio bom!
Ele começa nos apresentando vários elementos que depois seriam recorrentes na série como o humor afiado, a “rivalidade” de Homer com Flanders e um dos motivos  porque nós viríamos a adorar Bart.
Diferente de muitas (muitas mesmo) obras natalinas que são um amontoado de clichês, o episódio em nenhuma hora cai na mesmice ou repete o que já foi feito milhares de vezes. Tem até partes em que os protagonistas se dão mal.
O episódio tem uma série de momentos impagáveis, mas o melhor mesmo é quando Homer trabalha de Papai Noel no shopping.
Outra coisa legal é que ele conta a origem do Ajudante de Papai Noel, o cachorro da família. E é nesse momento que Os Simpsons mostra que realmente não se rende a clichês e cria um final ótimo pro episódio.
E fica uma dica de uma coisa legal pra vocês assistirem no Natal. E nem é só esse, mas os outros especiais de Natal dos Simpsons também são legais. E como estou legal hoje, eu também recomendo que assistam os especiais de Natal de Futurama (a outra série de Matt Groenning), que são impagáveis, com o Papai Noel robô que assassina qualquer um que esteja na rua na noite de Natal.

Darth Maul irá voltar à vida em The Clone Wars!

É isso que você leu. Darth Maul, o aprendiz de Palpatine que teve sua primeira aparição (e morte também) em A Ameaça Fantasma, irá ressuscitar na animação Star Wars – The Clone Wars.

Não foi divulgado que desculpa mal dada vão dar de que jeito ele vai retornar. Só saberemos no segundo trimestre de 2012, quando esse episódio será lançado.

Veja o teaser que avisa sobre a volta dele:

Minha opinião pessoal: acho isso uma idiotice. Tá certo que o Maul é um personagem bem legal, mas ressuscitar ele? Tão querendo transformar Star Wars na Marvel ou DC?

E sabe o mais legal da história? A ordem de trazer ele de volta foi do próprio George Lucas. Sempre ele, sempre ele…

Terra Nova [Impressões]

Começo aqui parabenizando a Fox pelo feito de trazer uma das séries mais esperadas do ano mais ou menos duas semanas depois da estreia nos EUA, e em episódio duplo, como na terra do Tio Sam.
Sobre a série em si: eu estava aguardando muito ela. Bem, é o SPIELBERG envolvido com uma série sobre DINOSSAUROS. Convenhamos que é de animar qualquer um. Minhas expectativas não foram frustradas com a série, que sim, apresenta alguns erros, mas no geral me agradou muito.
Acho que a essa altura todos devem saber da premissa da série: no ano de 2149, o mundo está muito “debilitado”: o ar é totalmente poluído, tanto que não dá pra ver nem o Sol nem a Lua direito. Pra tentar contornar a situação pessoas são mandadas 85 milhões de anos no passado pra colônia Terra Nova, pra tentar mudar o futuro. Pra mim, só a premissa com viagens no tempo e tal, já é melhor que Parque dos Dinossauros.
Então conhecemos a família Shannon, os protagonistas da série. Ela é composta pelo patriarca Jim, um ex-policial, a esposa dele Elisabeth, uma médica (acredite, seus empregos têm grande importância pra trama), e seus filhos Josh, Maddy e Zoe.
As primeiras cenas, ainda no ano de 2149, são de um ritmo rápido e cheias de ação. E eu achei aquele negócio de controle de população uma boa sacada. Já em Terra Nova, vemos eles se acostumando a um mundo novo, e mesmo assim tendo conflitos normais de uma família. Infelizmente isso rende alguns clichês.
Os efeitos especiais são espetaculares, principalmente os dinossauros. Aliás, os repteis gigantes não são o plano central da trama, em vez disso, temos antagonistas de uma colônia que se separou de Terra Nova, e alguns mistérios bem interessantes sobre viagem no tempo.
Realmente a série é muito boa. Cheia de elementos interessantes, e transbordando ação e ficção científica. Vou esperar ansiosamente os próximos episódios.

Supernatural 07×03: The Girl Next Door

 Depois dos dois episódios espetaculares que abriram essa temporada, Supernatural apresenta um terceiro episódio bem fraco.
Já começo falando que vocês podem ficar despreocupados, pois The Girl Next Door não pecou no desenvolvimento da história da temporada (como a sexta fazia direto), mas sim numa historinha de caça feita pro episódio, pois ele mesclou essas duas.
Aliás, as melhores partes do episódio foram as que desenvolveram a história. A fuga do hospital com a ajuda de Bobby (ele continua vivo!) foi uma grande cena, e Dean com o gesso foi impagável. Além disso, ficamos sabendo que os Leviatãs se infiltraram em alguns lugares e podem achar os Winchester, se eles fizerem coisas como usar cartões de crédito.
 E o Sam tá conseguindo controlar mais as ilusões. Espero que não acabem logo com esse “recurso”, eu gostei muito dele.
Essas são as melhores partes do episódio. Depois disso, o Sam vê no jornal algo que pode ter conexão com um antigo caso que ele investigou muitos anos atrás.

O episódio tem uma série de flashbacks de Sam investigando esse tal caso antigo, e ele começa até que bem, com ele passando as informações pra Dean e o pai deles por telefone, e pedindo dicas de namoro pra seu irmão mais velho. Mas eu já tinha sacado que a menina que ele estava a fim era um monstro assim que bati o olho nela pela primeira vez. E pelo amor de Deus, aquele negócio de “Ah eu quero ser diferente do meu pai” já encheu o saco.

 Aliás, vale comentar aqui: o Sam é adora se envolver com criaturas né? Primeiro teve aquela mulher lobo nas primeiras temporadas, depois Ruby, e agora ficamos sabendo dessa tal Amy.
E no final eu me surpreendi com o Dean indo lá e matando a Amy na frente do filho. Sei lá, mas não acho a cara dele fazer isso. Legal mesmo foi ele dando um soco na cara do Sam por ele pegar o carro dele. Bem merecido.
Não foi um episódio muito ruim, só foi (como eu disse lá em cima) fraco. Talvez pela direção do Jensen Ackles, que não foi muito boa nesse episódio. Mas acho que definitivamente, o maior culpado de eu não ter gostado do episódio foi a história de Sam se achar uma aberração, que sinto a sensação de ter visto outras cem vezes no seriado.

Top 5 nerds da ficção

Os nerds têm papel fundamental na cultura pop mundial, sendo os maiores consumidores dela e, em alguns casos, protagonistas de obras famosas. Agora veja a lista dos cinco mais famosos (e mais legais) de todos os tempos.

5- Dexter

Um dos desenhos mais legais que já assisti, O Laboratório de Dexter mostra como o jovem nerd Dexter tem um laboratório secreto e o esconde do mundo.
Além de apresentar suas tentativas (geralmente sem efeito) de evitar que sua irmã destruísse seu precioso “local de trabalho”, a animação o mostrava criando invenções malucas. Creio que ele tenha inspirado a criação de desenhos como Jimmy Neutron e Johnny Test.

4- Chuck
Chuck, o protagonista da série de mesmo nome, é um típico nerd: adora ficção científica, é um gamer (a cena em que ele diz que está com os dedos machucados por jogar Call of Duty pras mulheres que sua irmã quer apresenta-lo no primeiro episódio é hilária), e ainda trabalha em uma área de uma loja chamada Nerd Herd. Ainda duvida que ele mereça estar aqui?
3- Donatello
Ele é o nerd das Tartarugas Ninja, e o meu favorito dos quatro, pois sempre me identifiquei com ele.
É o Donatello quem sempre cria as estratégias, e é ele também o inventor do grupo. Sem falar que a arma dele e a cor da sua bandana são as mais legais.
2- Peter Parker
Talvez o primeiro nerd a desempenhar um “grande papel”, Peter Parker era um adolescente que não era muito bom em esportes, usava óculos, e era muito inteligente. Até que um dia uma aranha geneticamente modificada o picou, assim ele se tornou o Homem-Aranha, um herói capaz de rivalizar com o Superman em termos de popularidade e conhecimento do grande público (e na minha humilde opinião, ele é um herói muito mais legal que o kryptoniano).
1- Sheldon
Ele divide o posto de protagonista de The Big Bang Theorycom mais três colegas geeks, mas sem dúvida Sheldon Cooper é quem mais rouba a cena na série.
Sem brincadeira, hoje em dia Sheldon virou sinônimo de nerd. E não é pra menos: ele tem todas as características de um, além de sua personalidade, que mesmo repulsiva, ainda consegue o fazer ser carismático.
Sem dúvidas merece o primeiro lugar da lista.