O que rolou em 2011: TV

Na grande maioria das vezes a nossa amiga televisão não tem nada que preste em toda sua grade de programação. Mas algumas (raras) vezes temos coisas realmente boas saindo da telinha na nossa sala. Hora de lembrar o que aconteceu no ano que marcou o aparelhinho que nos causa tanta frustração, mas que também nos dá ótimos momentos.

GAME OF THRONES. Essa série, que pra mim é a melhor a estrear nesse ano, é sobre o que comentarei primeiro.

Genial. Incrível. Épica. Essas são as palavras que uso pra descrever essa série da qual me tornei fã, e que me fez comprar o livro que deu origem a ela, A Guerra dos Tronos. Nela temos ótimas atuações, um ótimo roteiro e respeito com a obra original. É simplesmente impecável. Se você ainda não assistiu, recomendo que comece o mais rápido possível, pois ela é muito legal.

Tivemos algumas estreias bem hypadas esse ano, como Terra Nova e Person of Interest. A primeira produzida por Spielberg, a segunda por J. J. Abrams (de Lost).

Terra Nova teve um piloto bem legal, embora apresentasse alguns clichês. Infelizmente não continuei acompanhando a série pra falar mais.

Person of Interest é um show. Seguindo o esquema “caso da semana”, ela conta com bons atores como protagonistas, uma trama legal, e até um pouco de ação.

Tivemos a saída de Charlie Sheen de Two and a Half Men, e sua substituição por Ashton Kutcher. Teve sim uma pequena queda na qualidade da série, mas ela continua muito boa. O personagem de Ashton é praticamente uma criança, sendo muito chato e com situações forçadas às vezes, mas não é de todo mal. Ruim mesmo é a nova abertura.

Falando de polêmicas na TV, esse ano teve uma bem grande e Made in Brazil ainda: a saída de Rafinha Bastos do CQC pelo que eu considero uma grande besteira.

Vale comentar também sobre o programa apresentado por Danilo Gentili (também ex-integrante do CQC) que estreou em junho desse ano, o Agora é Tarde. Ele é muito engraçado, e atualmente está melhor que o outro programa da Band que ele fazia parte.

A TV teve nesse ano, como sempre, seus altos e baixos. E, embora eu não a assista tanto quanto eu assistia, ainda é uma grande plataforma de entretenimento. Agora ficamos no aguardo de todas as porcarias do que pode pintar de bom nela em 2012.

O que rolou em 2011: Música

Na segunda parte do especial que funciona como retrospectiva do ano nós vamos conversar sobre música. Mas como o estilo de música que curto é Rock/Heavy Metal você só encontrará aqui esse estilo odiado por muitos e amado por mais gente ainda. Então não espere encontrar nada sobre Pop, Axé, Funk, Pagode nem similares porque eu não gosto disso.

Terminados os avisos, coloque os fones, bata cabeça e vamos nos lembrar do que aconteceu no mundo da música pesada esse ano, meu amigo.

Posso começar falando que esse ano foi “o ano dos festivais”. Tivemos o Rock in Rio e o SWU tão próximos um do outro.

No lado do RiR devo destacar os shows do Korzus, que me fez conhecer e virar fã da banda; o tão falado show do Angra que teve um desempenho ruim do vocalista Edu Falaschi; o do Metallica, que é assumidamente minha banda favorita e fez um show que uniu músicas clássicas da banda e duas do ótimo Death Magnetic e fez um show que agradou todos os fãs.

No SWU eu só assisti ao show do Megadeth mesmo (aliás, o Multishow mandou MUITO bem na transmissão dos dois festivais), que, do mesmo modo que o Metallica, fez um show com músicas clássicas e algumas do novo (e ótimo) álbum TH1RT3EN. A apresentação até contou com a presença do mascote da banda, Vic Rattlehead, pra delírio de nós fãs.

Tivemos alguns álbuns importantes esse ano, como o In Paradisum, álbum do supergrupo de Power Metal Symfonia, que reúne grandes nomes do gênero como Andre Matos e Timo Tolkki. Infelizmente o álbum ficou abaixo das grandes expectativas postas nele, pois embora tivesse uma parte técnica impecável, faltou inovação nele.

Outra coisa a se comentar é sobre o Lulu, o álbum de colaboração entre o Metallica e Lou Reed, que, no mais bondoso eufemismo, foi um álbum chato.

E tivemos a polêmica do Edu Falaschi, dizendo que “brasileiro é chupa pau de gringo” e alegando que o Metal nacional está morrendo. Veja essas declarações no vídeo abaixo.

No dia 11/11/11 o Black Sabbath anunciou seu retorno com uma turnê mundial e com um álbum de estúdio, o primeiro depois de 33 anos.

No final foi um ano bom para a música pesada que tanto adoramos, mas teve seus altos e baixos como sempre. E 2012 já promete com o Metal Open Air aqui no Brasil, reunindo grandes bandas como Blind Guardian e Anthrax, além de muitas outras já confirmadas.

O que rolou em 2011: Cinema

O Natal passou e já estamos na última semana do ano. E o que isso significa? Simplesmente significa que de segunda a quarta vai ao ar um pequeno especial no blog chamado “O que rolou em 2011”, sempre com um tema diferente. E hoje nosso tema é cinema, então senta na cadeira, pega a pipoca e vamos relembrar o que marcou a sétima arte nesse ano.

Vou começar pelo que, pra mim, foi o melhor filme do ano: X-Men: Primeira Classe. Uma surpresa para muitos que achavam que vinha uma bomba (eu, como o otimista que sou, colocava fé no filme desde o começo) e agora é quase unanimidade quando se pergunta qual é o melhor filme desse ano.
Os motivos de ele ser tão bom são muitos: as cenas de ação legais, Magneto, história e personagens bem construídos, Magneto, algumas cenas de humor e referências muito boas e, claro, o Magneto.

Como “segundo melhor filme do ano” (seguindo bem de perto o X-Men) eu colocaria Sucker Punch, o filme com mais apelo nerd desde Scott Pilgrim Contra o Mundo. Não, ele não é tão explícito quanto o filme do cara que luta com sete ex-namorados da menina que ele gosta, mas as referências estão lá de qualquer forma.

O ano foi marcado por diversas surpresas no cinema. Algumas talvez tenham sido só para mim, como o Justin Timberlake se metendo a ator, atirando pra todo lado e fazendo desde comédias românticas a filmes que são uma reflexão sobre a sociedade. Outra é que a Fox fez alguns filmes por quem ninguém dava nada e deles saíram alguns dos melhores filmes do ano, como o já citado X-Men e Planeta dos Macacos: A Origem.
Esse ano também marcou o fim da saga de Harry Potter nos cinemas. Eu, que já tinha lido o último livro anos atrás, achei uma adaptação boa, digna de encerrar essa série importante.

Tivemos alguns filmes de super-herói muito importantes esse ano, como Capitão América e Thor, que prepararam o terreno pro filme dos Vingadores que sai ano que vem.  No lado da DC tivemos o longa do Lanterna Verde, que foi criticado como um filme bem mais ou menos.
Foi um ano mediano no cinema. Tivemos filmes muito bons, boas surpresas e muitas (muitas mesmo) adaptações/ continuações/ remakes. O próximo ano trará vários filmes muito aguardados pelo público, e aparentemente será um ótimo ano para o cinema. Então que venha 2012.