Eu assisti: Thor

 

E eis que só nessa reta final para Os Vingadores é que consegui ver Thor. Bem, pelas críticas que vi na época que o filme foi lançado, achava que era um filme bem mediano, que não agradava nem desagradava. Mas o que eu vi foi um filme ótimo, que me empolgou do começo ao fim.

Sim, tem alguns defeitos, mas o saldo total é bastante positivo. Na verdade, o principal problema do filme é que ele é uma história de redenção do Deus do Trovão. Assim, temos uma história do arrogante Thor se tornando mais humilde.

Mas esse clichê é algo pequeno se comparado com as coisas incríveis desse filme: várias referências ao Universo Marvel, os belos efeitos especiais, a mitologia incrível do personagem muito bem adaptada e acima de tudo, Loki.

Sim, o irmão invejoso de Thor rouba muitas das cenas do filme, e o ator Tom Hiddleston consegue dar vida a um vilão no nível de Magneto e quase um Coringa.

E mesmo com algumas cenas de ação muito boas no filme, para mim as melhores foram as de Loki armando seus planos.

Como falei lá em cima, Thor está cheio de referências. Adorei ver quando falaram de forma implícita sobre Bruce Banner (se referindo a ele como “um cientista pioneiro em radiação Gama”) e ao Homem de Ferro.

O final não é algo tão feliz, mas também não é uma tragédia. Considerei um bom final.

Mas a cena pós-créditos é que foi realmente incrível, reunindo Loki e Nick Fury em uma cena que será de grande importância para Os Vingadores.

Minha empolgação com o filme dos Heróis Mais Poderosos da Terra está a mil, e só o que posso desejar é que 27 de abril chegue logo.

Eu assisti: (500) Dias Com Ela

Esse é um filme que sempre quis assistir, pois sempre ouvi coisas boas sobre ele. Esperava uma comédia romântica totalmente diferente das outras quando fui vê-lo, e foi isso que encontrei.
O filme já começa explicando que não é uma história de amor, e foi a partir daí que ele me ganhou. Depois disso foi fácil rir e mergulhar na incrível história dele.

Vou fazer um resumo dela: Tom acabou de se separar da sua namorada, Summer. Acontece que ela é uma pessoal incrível, e ele é perdidamente apaixonado por ela e pelo jeito dela. Então ele começa a lembrar das coisas mais importantes que viveu junto dela.
Uma das coisas mais legais do filme é que essas lembranças são jogadas pra nós que estamos assistindo fora de ordem, de forma não linear. Em uma cena podemos ver os dois em um momento em que a relação já está “fria”, e logo depois ver eles em momentos de grande felicidade.
Não posso deixar de comentar que me identifiquei muito com o protagonista Tom. Ele é um cara legal, mas bem inseguro às vezes, o que o torna mais humano.
E o final? Simplesmente genial. Foi incrível como o filme conseguiu mostrar um romance que poderia realmente acontecer, não uma história totalmente clichê que com dois minutos de filme você já sabe de tudo o que vai acontecer.
Esse é sem dúvida um dos filmes mais legais que eu já vi. Totalmente recomendado para você que quer ver algo diferente do que a grande maioria dos filmes do gênero apresenta.

Eu assisti: Megamente

Eu gosto muito de animações e de super-heróis, portanto quando descobri sobre esse filme no final do ano passado eu logo quis assisti-lo. Mas como minha vida não é uma coisa tão fácil, não tive oportunidade de ir vê-lo. Aí o Telecine me proporcionou assisti-lo ontem, e ele era tudo o que eu imaginava.

No filme conhecemos Megamente, um vilão que mantém uma certa rivalidade com o super-herói Metro Man desde a infância, e que nunca conseguiu ganhar dele. Um dia, um de seus planos finalmente dá certo e ele consegue dominar a cidade de Metro City. Então ele percebe que sem seu algoz ele não tem mais objetivos na vida, e resolve criar um novo herói para lutar com ele.

Megamente tem uma premissa genial, pois o protagonista é o vilão, não o herói. Vemos os fatos que o levou a se tornar um “cara mal”, seus motivos para agir assim e até simpatizamos com ele e passamos a nutrir certa antipatia pelo Metro Man, torcendo pro azulão acabar com ele.

O longa tem como inspiração alguns outros heróis (principalmente o Superman) e faz muitas piadas com as situações típicas e clichês do gênero, além de fazer referências a filmes de ficção científica e até uma (absolutamente fantástica) a Donkey Kong.

A trilha sonora é muito legal, contando com bandas como AC/DC, Guns N’ Roses e Ozzy Osbourne (CRAZY TRAIN, meu amigo!). Elas combinam muito com o clima do filme e empolgam e divertem quem estiver assistindo.

O filme é divertido, engraçado e muito legal, garantia de risadas ao longo dele. Num tempo em que as animações cada vez mais carecem de criatividade é muito bom ver um filme assim.

Eu assisti: Watchmen

Todos aclamam Watchmen como a melhor HQ de todos os tempos. Eu não li ainda (na verdade, li só o primeiro capítulo), e por isso, eu tinha tanta vontade de assistir a esse filme.

O único problema é que seria dublado, cortesia da  nova política do FX. Mas seria uma oportunidade rara de ver um grande filme, então resolvi nem ligar pra esse fato.

Logo no começo, temos a espetacular cena da morte do Comediante. Muito bem feita e dirigida.

O visual do filme é fantástico, com um tom acinzentado que combina com a história e o clima do filme. E por falar na história, nem preciso dizer que ela é genial, cheia de reviravoltas, e me impressionou em várias partes, mas aí já é coisa do mestre Alan Moore, que escreveu a HQ.

E a direção é muito boa também, com uma trilha sonora que combina e completa perfeitamente as cenas, que é uma característica de Zack Snyder (que também está presente em Sucker Punch). Por falar nisso, se o Snyder continuar a fazer filmes legais com apelo nerd, ele vai acabar se tornando meu diretor favorito.

O filme é bem longo, mas isso é compreensível, já que ele se aprofunda em cada personagem. Dá pra saber o que cada um sente quanto sua condição de herói, como o Rorschach, que chega ao ponto de chamar sua máscara de “seu rosto”, ou Dr. Manhattan, que se afasta cada vez mais da humanidade.

Watchmen é um filme genial, e um dos melhores que já vi. Tudo nele beira a perfeição, e eu realmente o recomendo.

Eu assisti: Batman: O Cavaleiro das Trevas

Batman Begins foi um filme que eu assisti assim que saiu em DVD. Já O Cavaleiro das Trevas eu nunca tinha assistido (e o filme foi lançado em 2008). Não por falta de vontade, mas eu já eu falei pra vocês que eu demoro muito pra ler/assistir/jogar qualquer coisa.

Então quando eu soube que passaria no SBT eu rapidamente me programei pra assistir. E como foi sábia essa decisão!

Aliás, esse filme veio bem na semana em que eu comecei um jogo que, pra variar, tô jogando muito depois do lançamento: Batman: Arkham Asylum.

Eu sempre ouvi ótimas recomendações do filme, fossem em resenhas na internet, ou amigos que falavam dele. E nas resenhas, um ponto que é tocado em todas elas é como o Coringa é muito bem interpretado por Heath Ledger, e é a mais pura verdade.

Ao infinito… E além!

O Coringa é um personagem interessante. Ele é totalmente diferente dos outros vilões, e o filme deixa isso claro. E por ser assim diferente, ele acaba roubando a cena em grande parte do filme.

“Vou pôr um sorriso no seu rosto”

E é muito legal ver como ele mexe com o psicológico das pessoas, chegando ao ponto de transformar um homem bom em um vilão.

Muitos fãs de HQs têm o Coringa como vilão preferido, pois o seu jeito doido e psicopata faz dele único. E claro, ele consegue ser muito engraçado pelos mesmos motivos, inclusive no filme.

Agora ele não tá rindo…

E quando eu acabei de assistir, eu pensei “Cacete, que filme ótimo!”, e fiquei me perguntando o porquê de não ter assistido essa obra-prima antes.

Eu assisti: Homem de Ferro 2

“Eu assisti” será a nova coluna do blog, onde quando eu eventualmente vir um filme legal na televisão eu farei um texto a respeito dele.
E nada melhor pra inaugurar do que Homem de Ferro 2, que eu estava com uma grande vontade de ver  há muito tempo, mas só pude ver hoje, no Telecine.
O filme começa com Tony Stark revelado o mundo que é o Homem de Ferro, e logo começa a sofrer pressão do governo dos Estados Unidos pra entregar a armadura a eles, pois eles querem a tecnologia dela empregada no exército.
 O filme tem muitas cenas de comédia, bem ao estilo Tony Stark mesmo (uma das melhores é quando ele acha o escudo do Capitão América bem velho e desgastado e o usa pra nivelar um tubo), além de várias cenas de ação bem legais.
Agora você sabe porque as Blades of Athenas não estavam em God of War 3 =P
  
Aqui temos o aparecimento de vários personagens legais que enriquecem muito a trama: Chicote Negro, Máquina de combate (embora os dois não sejam chamados assim), Nick Fury (e esse convoca o Tony para algo chamado “Projeto Vingadores”, nem preciso dizer que meus olhos brilharam quando vi essa cena, né?), e a Viúva Negra (cara, eu não reconheci a Scarlett Johansson de primeira, mas como ela estava linda!).
A Scarlett é muito linda *-*
 Temos mais lutas do que no filme anterior, e sinceramente eu achei esse bem mais legal que o primeiro filme (não que o outro não tivesse sido bom, mas esse foi melhor mesmo).
Nick Fury. Vendo ele, mal posso esperar pelos Vingadores!
 E a trilha sonora? Grande parte dela é do Hard Rock do AC/DC, e além de combinar muito bem com a atmosfera do filme, é muito mais legal você assistir um filme e a trilha sonora ter o tipo de música que você gosta.
E no final, ainda tem uma cena do Mjölnir do Thor caído no Novo México. Agora fiquei com muita vontade de ver o filme do Thor…
E assim começou minha preparação pro filme dos Vingadores. Como eu disse, está faltando assistir Thor e Capitão América também, e pode acreditar, são minha prioridade na lista de filmes a assistir.